Que saber um idioma é super importante pra vida, todo mundo já sabe, né? Seja pra quem gosta/pretende viajar pro exterior, ou até pra quem quer dar um up no currículo e ter um diferencial no mercado de trabalho. Existem diversas formas de aprender uma língua além de fazer um curso, como em sites com chats, jogos educativos, ou através de filmes, séries e músicas. E agora o YouTube também pode ser muito útil pra quem quer treinar uma língua, tirar dúvidas e descobrir coisas novas no vocabulário.

Eu sou apaixonada por línguas, e utilizo todas as formas possíveis para melhorar cada vez mais a minha proficiência nos que eu falo. Por isso, decidi compartilhar algumas dessas formas diferentes de aprendizagem com vocês, iniciando pelo meu dialeto preferido: o inglês! Pra começar, selecionei 5 canais do YouTube que eu acompanho e adoro, por me ensinar muita coisa e tirar muitas dúvidas que eu tinha. Espero que ajude vocês também. So let's practice!

CINTYA SABINO

Conheci a Cintya quando ela estava nos EUA fazendo intercâmbio pelo Ciências Sem Fronteiras e eu cogitava muito participar do programa. Ela fazia vlogs por lá e eu adorava acompanhar o seu dia-a-dia numa universidade americana. A Cintya voltou pro Brasil e agora posta vídeos ensinando diferenças de algumas palavras parecidas, dá dicas de pronúncias e tira algumas dúvidas que todo mundo tem com a gramática. Além disso, ela tem um quadro MUITO legal chamado "entendendo a música em inglês", no qual ela vai traduzindo e explicando toda a letra das músicas do momento. A Cintya é demais, e uma fofa. Amo real!

CARINA FRAGOZO

Conheci a Carina há pouco tempo mas já adoro demais! Essa linda ensina vocabulários e expressões úteis, dá dicas para melhorar a nossa pronúncia e até indica canais e séries para a gente treinar ainda mais a língua. To assistindo vários vídeos dela, e aprendendo cada vez mais. Recomendo e muito!

MR. TEACHER PAULO

O Paulo é professor de inglês, e sabe MUITO! Ele fala de tudo relacionado à língua em seu canal, seja na parte de gramática, pronúncia, vocabulário ou compreensão. Ele é super simpático, dá muitas dicas legais, responde tags e também faz umas colabs com um pessoal muito legal. Considero o canal dele um dos melhores da área. Amo forte!!!

TEACHER, I HAVE A QUESTION!

O Edu também é professor e posta vídeos ensinando tudo que a gente quer saber sobre gramática e pronúncia. Tem pouco tempo que eu conheci o seu canal, mas ele já tirou MUITAS dúvidas que eu tinha, e por isso eu o recomendo demais!

TEACHER ALLIE

Sem palavras pra descrever a Allie! É uma das melhores professoras do YouTube, na minha opinião. Amo demais os vídeos que ela posta. Ela também fala de tudo relacionado à língua, ensina vocabulário, dá dicas maravilhosas, nos ajuda com a pronúncia de algumas palavras, e até utiliza trechos de filmes e séries pra nos ajudar com o listening. Recomendo demaaaaaais!

Vocês também utilizam a internet (e o YouTube) para aprender um idioma? Conhecia algum desses canais? Quais vocês acrescentariam a essa lista? Contem tudo pra mim nos comentários!

Com amor,
Steph.



Começa agora mais um capítulo da interminável série de posts da Califórnia! Mas dessa vez eu juro que tá acabando, sério! Hahahahahahaha. Fazem exatos dois anos que eu estava lá, mas as lembranças continuam na minha mente como se fosse ontem. Ai, que saudades!

Bom, depois do último destino, Los Angeles, foi a vez de conhecer San Francisco. Pegamos a rodovia principal e passamos cerca de SEIS HORAS na estrada até chegar lá. Sim, as cidades parecem ser próximas, mas isso fica só na teoria, viu? Mas a estrada é MA-RA-VI-LHO-SA, super retinha, sem trânsito, e ainda dá pra fazer umas paradas nos postos de gasolina pelo caminho. Só passei por um pedágio na entrada de San Francisco, e um pouco de trânsito nessa parte também.

CHEGANDO EM SAN FRANCISCO PELA OAKLAND BAY BRIDGE

Nesse dia, chegamos cansadíssimos da viagem, então fizemos check-in no hotel, saímos pra comer uma pizza ali perto, e voltamos rapidinho pra descansar bastante.

No dia seguinte, começamos a turistar pela cidade. O primeiro destino foi a Coit Tower, que fica no Telegraph Hill, uma das milhares de colinas que a cidade possui, porém essa é mais conhecida pela vista incrível que ela proporciona. Acabei não tirando foto da torre de perto, mas consegui fotografá-la do Pier 39, no qual falarei sobre ainda nesse post.

COIT TOWER VISTA DO PIER 39

EUZINHA FEAT. A VISTA DE SAN FRANCISCO PROPORCIONADA PELA COIT TOWER ♥
Em seguida, fomos conhecer o Chinatown da cidade. As ruas são uma gracinha, com vários enfeites, e bem movimentadas, principalmente de descendentes chineses. As lojas são incríveis, enormes, e com uma variedade imensa de produtos baratinhos (chineses ou não), além de vendedores super simpáticos. Também há muitos restaurantes chineses no local, e o melhor de tudo é que a cozinha fica na vitrine! SIM! Há uma grande "chapa" no qual o chef fica preparando comidinhas como o yakissoba, e a gente pode ficar assistindo de pertinho, pelo vidro. Achei o máximo! Porém, graças às crianças que sempre mandavam nas refeições, acabamos indo almoçar na Subway. Triste.

 
O MAIOR PRÉDIO DA CIDADE, TRANSAMERICA PYRAMID, VISTO DO CHINATOWN
Depois do almoço, resolvemos passar a tarde no centro da cidade. Primeiro, paramos na Union Square. É uma praça que fica num bairro mais comercial, lotado de lojas famosas, shoppings, farmárcias, entre outros. Em volta da praça dá pra ver lojas como Macy's, Nike, Lush Cometics, Gucci, Apple e Tiffany & Co. — Bem variadas e misturadas mesmo.

Fomos dar uma volta na Macy's, e depois seguimos andando até a Market Street, avenida principal da região que possui mais lojas e shoppings. E foi ali que nos divertimos durante o restante do dia, hahaha. A última parada foi o Westfield San Francisco Centre, um shopping GIGANTE, com mais de cinco andares, e o melhor de tudo é que AS ESCADAS ROLANTES PRINCIPAIS SÃO EM ESPIRAL!!!!!!! Surtei pouco, né? Mas acabei curtindo tanto as escadas que esqueci de tirar foto. Fuéim. Perdão galera </3. Mas vale muito a pena a visita!

SENDO BEM URBANA NA MARKET STREET
O dia seguinte foi, sinceramente, um dos melhores! Principalmente porque eu finalmente ia conhecer a Golden Gate Bridge, cartão postal da cidade. Tratei de procurar um local onde a vista fosse perfeita para visualizar melhor a ponte e, claro, tirar mais fotos — Assim como fiz com a placa de Hollywood, que acabou não dando muito certo. Mas dessa vez deu sim! Conseguimos uma ótima visão no meio da Conzelman Road e, ai, que lugar apaixonante, viu? O dia ensolarado ainda deu aquele toque de perfeição e eu consegui tirar as melhores fotos da vida!

SURTANDO JÁ DE LONGE, QUANDO CONSEGUI VER A PONTE
CHEGANDO PERTO E SURTANDO AINDA MAIS
ATRAVESSANDO A PONTE E SURTANDO
SURTANDO E BEM FELIZ FEAT. A GOLDEN GATE BRIDGE
Depois de surtar bastante e tirar um milhão de fotos, fomos pro próximo destino: o Pier 39. Como o próprio nome diz, é mais um dos milhares píeres que San Francisco possui, porém este é o mais famoso, por funcionar como um shopping repleto de restaurantes e lojinhas de souvenirs, além de abrigar a marina e o aquário da cidade. É uma ótima opção de lazer pra toda a família!

O MAPA DO PIER

OLHEM SÓ QUE INTERESSANTE ESSA LANCHONETE EXPRESS, HAHAHAHAHA. AMEI!
Além disso tudo, o Pier oferece várias atrações de lazer como shows de música e de circo — e tem até um carrossel no meio dele! O lugar também é ponto de saída dos Ferrys que vão até a Ilha de Alcatraz, um dos presídios mais famosos do mundo, atualmente inativo, que funciona como museu. Do fim do píer dá pra ter uma ótima visão da ilha, e ali ainda possuem aqueles grandes binóculos turísticos que a gente coloca moeda e consegue ver mais de perto, sabe? Achei o máximo!

ILHA DE ALCATRAZ

 
O dia seguinte foi o último pra turistar na cidade, pois no dia seguinte teríamos que continuar seguindo com a roadtrip. Passamos, primeiro, no início da Lombard Street, onde há um ponto turístico também muito famoso na cidade: a ladeira com curvas em zigue-zague!

JÁ RUIVA ANTES DE PINTAR O CABELO — O SOL DE SAN FRANCISCO PREVENDO O FUTURO
VISTA DO ALTO DA LOMBARD STREET
E, por último, fomos aproveitar o sol misturado com um friozinho gostoso no Golden Gate Park, um parque IMENSO que abriga várias atrações como o Japanese Tea Garden (Jardim Japonês), parques infantis, museus, campo de golfe e até um estádio! Não entramos em nada, mas ficamos andando por ali, curtindo a natureza e tirando fotos.

A ENTRADA DO JAPANESE TEA GARDEN

Depois desse passeio super gostoso, fomos dar uma última volta na cidade, paramos em algumas lojinhas, e voltamos mais cedo pro hotel, pra arrumar as coisas e descansar pra mais um dia na estrada. Dessa vez, iríamos voltar para Los Angeles para finalmente voltar pra casa, mas viemos pelo caminho mais longo, porém mais bonito: pelo litoral! Prontos para o último capítulo da viagem? Já já sairá aqui no blog. Aguardem!

Com amor,
Steph.


 
Bom, primeiro de tudo, trago boas novas! Quem me conhece e me segue no Instagram já sabe que EU ESTAVA EM DUBLIN, HAHAHA. Voltei pra visitar o meu namorado no finalzinho de outubro e fiquei até o final de dezembro, mas vou explicar isso melhor ao longo do post!  

E o que isso significa, Rafa? 

Mores, isso significa que teremos posts extras na série e também alguns posts de viagens pela Europa, YAY!

Como vocês já sabem, na hora de escolher o país onde faria meu intercâmbio, a localização foi um dos pontos mais importantes pra mim. E já que eu queria um intercâmbio voltado para o inglês, mas também queria a possibilidade de viajar o máximo possível, e o fato da Irlanda estar localizada na Europa foi definitivo para a minha escolha.

Os voos são bem baratinhos para os países da Europa Ocidental, e mesmo se você não tiver interesse em conhecer outros países da Europa, o interior da Irlanda possui as paisagens mais lindas que já vi. São MUITAS cidadezinhas e condados por aqui. Eu, infelizmente, ainda não tive tempo de conhecer todas as que coloquei na minha lista. Mas ao final do post vou deixar a minha listinha aqui, pra compartilhar com vocês e saber de vocês quais delas vocês já conhecem, ouviram falar ou pretendem conhecer um dia.

A minha experiência como turista pela Europa começou aqui mesmo, no interior da Irlanda, em um lugar que sempre esteve na minha travelist desde que me entendo por wanderluster – e que roubou meu coração na primeira vista: Os Cliffs of Moher. 


Apesar da minha vontade enorme de conhecer os Cliffs, a ideia de ir surgiu de amigas que conheci durante o intercâmbio. Elas já tinham quase tudo planejado e quando me avisaram elas já tinham escolhido a agência e o dia. 

Nós fomos por uma agência irlandesa chamada Lally Tours, então todo o passeio é guiado por profissionais Irlandeses que falam somente em Inglês. Pra quem não fala nadinha de inglês, recomendo procurarem os tours por agências brasileiras. Mas pra quem já tem um domínio maior, acho uma oportunidade bacana de aprender um pouco da cultura e da geografia da Irlanda através das visitas guiadas por um profissional nativo. 

Lally Tours é uma empresa familiar que organiza tours pelo Oeste da Irlanda desde 1988. Nós fornecemos mais do que apenas visitas guiadas partindo de Galway - Nossos motoristas e guias profissionais estão aqui para ajudá-lo a experimentar o melhor do Oeste da Irlanda. Nós convidamos você a explorar os incríveis penhascos de Moher, as montanhas majestosas do Connemara e beleza das ilhas de Aran.

Os preços são um pouco “assustadores” quando comparados com preços de agências brasileiras ou com os de alguns transfers, mas o serviço oferecido pela empresa vale cada centavo!


O valor do ticket inclui transfer de Dublin até Galway, local onde os tours começam. Ele também inclui uma entrada para o Cliffs of Moher Experience e tours guiados. E apesar de ter um pouco de dificuldade de entender o que o Guia falava no início – Até porque o sotaque Irish é um pouco (muito) pesado, haha – o guia era super engraçado e explicava tudo com paciência. 

O transfer sai do centro de Dublin bem cedinho, às 6:45am. A viagem até Galway dura 2h30min e é super tranquila, dá até pra tirar um cochilo, hahaha. Sem contar que a paisagem das estradas no interior da Irlanda são deslumbrantes!


Chegando em Galway, a empresa faz uma concentração na rodoviária e de lá pegamos outro ônibus até a primeira parada: Dunguaire Castle (Kinvara).


Infelizmente e justamente no meu dia, tivemos um probleminha e o motorista decidiu parar no Castelo somente na volta do Cliffs, já que o castelo fica bem no “começo” do tour. Mas ao chegarmos lá, o horário de visitação do Castelo já tinha acabado. Mas a parada valeu a foto e a vista MARAVILHOSA! O castelo foi o Palácio Real de Guaire Aidhne, rei de Connacht, em 1520.

Logo após passarmos em frente ao Castelo, seguimos em direção à Aillwee Cave. Para os de estômago fraco (como eu), recomendo um remédio contra enjôo durante essa parte do percurso, hahaha. São muitas curvas, ladeiras e buracos. A visita à caverna é paga, não lembro exatamente quanto – mas algo entre 2 e 5 euros.


A Aillwee Cave é uma das cavernas mais antigas da Irlanda. A visita é acompanhada por um guia que explica toda a história por trás da descoberta da caverna, a localização e as características. Em determinado momento da visita, todas as luzes são apagadas e experimentamos a sensação de “escuridão completa”. Nossos olhos não conseguem se adaptar à escuridão e a sensação é quase desesperadora, hahaha! É muito incrível e, pra mim, foi a melhor parte do tour. 

 
Saindo da caverna, seguimos em direção ao tão esperado Cliffs os Moher! Eu tava com uma expectativa tão grande que, ao chegar lá, juro que quase chorei. Toda a vista é deslumbrante, algo que te faz perder o ar. Infelizmente eles dão apenas 1h30min pra conhecer o local, o que eu achei bem pouquinho já que, além de andar devagar, eu queria parar e contemplar o local! Hahaha. Esse é um dos motivos pelos quais quero voltar e passar o dia inteirinho! Tem muita coisa pra se explorar por lá.

 

Eles não fazem tour guiado pelos Cliffs, então a visitação é livre. O lugar é maravilhoso pra contemplar, tirar fotos. Então recomendo um tour com mais tempo livre, porque são muitos cantinhos a serem descobertos. Recomendo também um tênis bom, já que são muitas subidas e descidas que chegam a cansar hahahaha <3


Acho que até hoje esse foi o lugar mais lindo que já vi na minha vida! Demos a sorte de ir num dia de sol, então a vista estava mais linda ainda.

E você? Qual o lugar mais bonito que você já visitou? O Cliffs of Moher já entrou na sua travelist? Me conta aqui embaixo! Em breve sai post com mais opções de turismo pela Irlanda, prometo!

Um beijo da Rafa <3